sábado, 20 de julho de 2024
Economia
26/06/2024 | 18:14

Economia catarinense cresce 3,9% nos quatro primeiros meses do ano

Nos primeiros quatro meses do ano, a economia de Santa Catarina cresceu 3,9% em relação ao mesmo período de 2023. O desempenho foi acima da média nacional, que registrou crescimento de 2,1% na atividade econômica, segundo relatório do Banco Central. Na série livre de efeitos sazonais, o estado alcançou o maior crescimento nacional no IBC-BR, com expansão da atividade econômica de 2,6% em abril em relação a março. O IBC-BR é considerado pelo mercado como uma prévia do PIB.
 
De acordo com o presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), Mario Cezar de Aguiar, a queda da taxa de juros a partir de agosto do ano passado tornou as condições de crédito mais favoráveis, o que beneficiou setores da indústria, que cresceu 6,5% no acumulado do ano. “Essa dinâmica incentivou o desempenho de segmentos ligados à produção de bens de capital, intermediários e de consumo durável, como a  indústria de equipamentos elétricos, que teve alta de 16,1% na produção”, afirmou. 
 
Análise do Observatório FIESC mostra que um dos vetores dessa expansão foi a demanda externa, que tem desempenhado papel importante para o setor de equipamentos elétricos, com aumento de embarques de produtos como motores e transformadores elétricos para África do Sul e Canadá.
 
As melhores condições para investir na produção, aliadas às vendas externas de compressores de ar e bombas de líquido, influenciaram o desempenho positivo da fabricação de máquinas e equipamentos, que cresceu 10,2% no ano até abril. 
 
Renda e consumo
 
A economia de Santa Catarina também reflete o mercado de trabalho aquecido, com aumento real da massa de rendimentos da população, e consequentemente, a manutenção do consumo elevado das famílias. Até abril, a produção de veículos automotores cresceu 7,8%, impactada pela queda recente dos juros e demanda interna em nível elevado. Em consequência, o comércio de veículos, motocicletas, partes e peças apresentou aumento de 13,9% na mesma análise.
 
O economista do Observatório FIESC, Marcelo de Albuquerque, explica que o desempenho  do estadual teve ainda a força da produção de produtos químicos, que cresceu 6,4%, influenciada, em parte, pelo consumo de artigos farmacêuticos, médicos, de perfumaria e cosméticos.
 
A comercialização desses produtos acabou refletindo no aumento de 12,9% no comércio, no acumulado do ano até abril. “Além disso, o volume de vendas em hipermercados e supermercados tiveram expansão de 2,9% no período, resultado da demanda por embalagens plásticas e contribuindo para o crescimento de 11,3% na indústria de borracha e plástico”, pontuou.
 
Serviços lidera crescimento
 
O setor de serviços foi o que mais cresceu, com aumento de 6,7% no acumulado do ano. O consumo das famílias e o maior nível de produção das indústrias catarinenses impulsionaram as atividades de serviços relacionadas a transportes, principalmente no escoamento de produtos.
 
Outros segmentos ligados ao mercado de trabalho registraram expansão, como os serviços profissionais, administrativos e complementares, voltados para a locação e o agenciamento de mão de obra, além dos serviços de escritório e apoio administrativo.
 
A atividade econômica do comércio ampliado teve alta de 5,5% de janeiro a abril deste ano no estado. 
 
 
 
Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC
Gerência de Comunicação Institucional e Relações Públicas

JORNAL IMPRESSO
19/07/2024
12/07/2024
05/07/2024
28/06/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS