domingo, 23 de junho de 2024
Política
03/05/2024 | 09:38

COLUNA DO PRISCO PARAÍSO: Vexame vermelho

Vexame vermelho 

O 1º de maio, Dia do Trabalhador, Dia do Trabalho, foi um fiasco retumbante para o PT, Partido dos Trabalhadores, criado em 1980. Quem foi o primeiro signatário desta legenda? Luiz Inácio Lula da Silva. Ele foi presidente do partido por longa temporada e depois Zé Dirceu, o todo-poderoso intimamente ligado a Lula. Ele, condenado no Petrolão, no Mensalão, esteve preso, assim como o próprio Lula, que foi solto para disputar a presidência da República. Na quarta-feira, o líder petista foi a São Paulo.

Para aquela grande mobilização do Dia do Trabalho. E o que viu? Eles, quando na oposição e até em alguns momentos quando no governo, conseguiam atrair público. À base de muita mortadela, é verdade. A primazia de colocar o povo na rua foi por muitos anos exclusividade do PT. Pelo menos foi isso que se vendeu à sociedade. 

Mas após passar pelo governo, o segundo mandato de Lula da Silva já foi meio capenga, principalmente com Dilma Rousseff, que fez uma série de trapalhadas no segundo mandato, essa “realidade mudou.” Ela acabou cassada. Também houve a Lava Jato e uma série de prisões. 

A evidência de corrupção e tudo mais calcificou o fato de que eles hoje não reúnem mais ninguém. Lula fez uma campanha inteira com eventos externos fechados. E só entrava quem fosse do time do PT, lideranças de esquerda, centrais sindicais que queriam o fim do governo Bolsonaro.

 

 Fora de circulação 

Já ingressamos no 17º mês do governo Lula. Ele não circula pelo Brasil; quando o faz, em ambiente fechado, devidamente blindado. Aí resolveu, na quarta-feira, dia primeiro de maio, ir para São Paulo, seu berço eleitoral. 

 

Berço 

Aliás, o PT surgiu no ABC. Santo André, São Bernardo e São Caetano, mas foi à capital paulista que a deidade vermelha tentou mostrar força. Ocorreu que, além de ter violentado a lei eleitoral, pedindo voto a Guilherme Boulos, do PSOL, pré-candidato à prefeitura, não apareceu nada além de meia dúzia de mortadelas. 

 

Liberado 

Ah, sim, mas Lula pode. Pode tudo.  Todos os demais partidos, especialmente de direita, especialmente o ex-presidente da República, Jair Bolsonaro, esses não podem nada, mas ele pode e o TSE não vai fazer absolutamente nada. 

 

Cara de paisagem 

O “presedente” Lula não reuniu 1 mil pessoas, sendo que quase todos que lá estavam eram líderes sindicais. Líderes partidários, simpatizantes levados à base de mortadela. É um contraste se fizermos um cotejamento, um paralelo com Jair Bolsonaro, que por onde passa, arrasta multidões. 

 

Comparação 

Nós vamos citar só os dois episódios: 25 de fevereiro, na Paulista, onde compareceram mais de 700.000 pessoas e agora, recentemente, dia 21, em Copacabana, com outras tantas milhares de pessoas. E o presidente da República, líder sindical, torneiro mecânico, retirante nordestino, não reúne 1.000 pessoas?

 

Culpado 

O “presedente” reclamou do ministro (sim, a culpa é sempre do ministro ou de Bolsonaro), que eles, a PTzada, não mobilizam mais gente na rua. Nunca foi uma mobilização natural, como muitos fazem. No século XXI Bolsonaro chama pelas redes sociais e as pessoas vão sem motivação outra, e tampouco motivadas por pão e mortadela. 

 

Realidade local 

Então a gente começa a observar que efetivamente a coisa não está nada boa para a PTzada. Vamos estadualizar a realidade. Na terça-feira, os professores fizeram uma mobilização diante do centro administrativo do governo, em meio à greve capenga. Que não tem nem 15% de adesão. Mais um factoide. 

 

Aham 

 Daí divulgaram que reuniram 10.000 pessoas. Conversa mole. Não reuniram nem mil e seguramente 80 a 90% dos presentes só estavam lá à base de pão com mortadela.  Simpatizantes de partidos de esquerda, líderes sindicais, professor que era bom, nada, representou 5% dos presentes. 

 

Modus operandi 

Isso é o discurso político em ano eleitoral, ou seja, PT, os partidos de esquerda, as centrais perderam espaço, perderam discurso, perderam credibilidade. Aliás, centrais sindicais que estão incomodadas com o governo Lula e que têm se manifestado nessa direção. Mais uma dorzinha de cabeça. Para aquele que deixou as instalações da Polícia Federal como presidiário. Para assumir a presidência da República graças à generosidade do Supremo Tribunal Federal.


JORNAL IMPRESSO
21/06/2024
14/06/2024
07/06/2024
31/05/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS