sábado, 25 de maio de 2024
Política
27/03/2024 | 17:58

COLUNA DO PRISCO PARAÍSO: Ódio e preconceito

Ódio e preconceito

Ideli Salvatti. Quem não ouviu falar dela? Ela chegou a Santa Catarina com o marido, Eurides Mescolotto, na primeira metade da década de 1970. Foi recepcionada pelo então prefeito Pedro Ivo Campos, de Joinville.
Ele já havia recebido uma sinalização, alguns dizem que de Lula da Silva, outros dizem que teria partido de lideranças políticas do estado de São Paulo, mas o fato é que ela chegou ao estado. Por Joinville e pelas mãos de Pedro Ivo. Depois ela se transferiu para Florianópolis, onde passou a ter uma atuação semelhante à de São Paulo como líder sindical. Tanto ela quanto o próprio Mescolotto.
Muito bem fixados na Capital, os dois começaram naturalmente a interagir, a fazer política pelo PT, partido que nasceu por aqui especialmente pelas mãos de Ideli e Mescolotto,  que não foi apenas o primeiro presidente do PT catarinense. Ele também foi o primeiro candidato do partido ao governo do estado no restabelecimento das eleições em 1982. Aliás, com grande performance, desenvoltura verbal e inteligência.

Ribalta

O mesmo Mescolotto que depois chegou a presidir o Besc (já no período de incorporação e federalização pelo Banco do Brasil) e também a Eletrosul, quando a empresa ainda era estatal, coincidindo com o governo Lula.

Ela

Mas voltemos à Ideli Salvatti. Ela também ganhou visibilidade sobretudo pela atuação à frente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação. Foi o trampolim para a petista chegar à Assembleia Legislativa para um primeiro mandato.

Raspando

A petista conseguiu a reeleição. Mas passou raspando. A recondução foi no limite. Ideli entrou na última vaga. Com algo em torno de 15 mil votos lá em 1998. Em 2002, ao natural, seria candidata à reeleição. Mas não. Com uma reeleição ameaçada, colocou o nome ao Senado.


Onda vermelha
Justamente na eleição que marcou a vitória de Lula da Silva, depois de três insucessos consecutivos na disputa pela Presidência da República, marcando a onda vermelha no começo do século. Lula foi uma verdadeira avalanche. Sua candidatura em Santa Catarina, aliás, no primeiro turno, foi a que obteve a principal vitória proporcional do país, turbinando a candidatura de Ideli Salvatti. Com mais de 1 milhão de votos, ela ficou com a primeira das duas vagas.

Força

Naquela eleição, o PT elegeu cinco federais por SC e nove estaduais na Alesc. Ela cumpriu o seu mandato, foi líder do PT no Senado; também foi líder do governo, ocupou três postos diferentes na Esplanada dos ministérios. No governo Dilma Rousseff, foi para a pasta dos Direitos Humanos, Pesca e Articulação Política.

Articulação

Era interlocutora do Planalto com o Congresso, mas se expôs demais e se queimou. Tanto é que, ao fim do mandato, concorreu ao governo em 2010, ficando em terceiro lugar. Essa eleição marcou a vitória, a primeira, de Raimundo Colombo, ainda no primeiro turno.

Fim de carreira
 
A votação de Ideli foi tão irrisória há 14 anos que ela nunca mais disputou uma eleição. Muito tempo depois, agora, há poucas semanas, tentaram especular o nome dela para disputar a prefeitura de Florianópolis. Não colou, evidentemente. Ideli teve a imagem muito atrelada ao desastre petista. Inclusive, com a derrocada de Dilma Rousseff, que foi cassada.

Geladeira

Ela ficou distante porque a sua presença atrapalhava o PT, mas agora com Lula novamente na Presidência da República, colocou o seu nome à disposição. O fato é que o PT não tem nenhuma chance na Capital. E muito menos com Ideli Salvatti. Mas logo depois dessa ventilação, ela já submergiu novamente porque o ex-vereador Lela foi o escolhido como nome petista. Ele esteve inclusive com Lula da Silva e Gleisi Hoffmann em Brasília.

Estarrecedor

Agora, para a surpresa geral, aquela mesma que foi acolhida em Santa Catarina, estado de um povo que lhe deu três mandatos, essa mesma senhora, representando um tal Instituto dos Direitos Humanos foi a São Paulo para homenagear o Padre Júlio Lancelotti, esse notório e controverso prelado, que nas últimas semanas estava mais nas páginas policiais. E foi tratado por Ideli como um bastião da democracia e dos direitos humanos no Brasil. Seria cômico se não fosse trágico.

Ódio vermelho

 E ainda falou que Santa Catarina está difícil de viver porque é um estado carregado pelo ódio e que teria células neonazistas como em nenhum outro estado brasileiro.

Arquiteta

Ideli Salvatti espinafrou até mesmo a arquitetura da cidade de Balneário Camboriú. Que não só é uma cidade essencialmente empreendedora, mas também geradora de emprego, justamente por uma indústria da construção civil consolidada.

Torrou o filme

Falou uma asneira atrás da outra, a dona Ideli, e agora está sendo metralhada nas redes sociais. Se não gosta de Santa Catarina, da companhia dos catarinenses que a elegeram para três mandatos, que ela retorne ao estado de origem, sua terra natal, São Paulo. Por que continua em Santa Catarina e falando mal do estado fora daqui? Brincadeira tem hora.


JORNAL IMPRESSO
24/05/2024
17/05/2024
10/05/2024
03/05/2024

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS