sexta, 24 de setembro de 2021
Polícia
Monique, mãe de Henry, foi presa na manhã desta quinta-feira (8) Reprodução
08/04/2021 | 18:01

Mãe de Henry pode ter pena ainda maior que a de Dr Jairinho

Assim como aconteceu no caso de Alexandre Nardoni e de Suzane von Richthofen, Monique Medeiros, a mãe do menino Henry Borel, pode receber uma pena maior que a de seu companheiro, o vereador Dr Jairinho, suspeito de espancar e provocar as lesões que causaram a morte da criança no dia 8 de março. A jurista e mestre em Direito Penal Jacqueline Valles explica que, mesmo que Monique não tenha participado ativamente das agressões, ela pode receber uma punição maior que a do companheiro. “Além de todas as qualificadoras do crime, recairia sobre Monique, caso a investigação conclua que ela se omitiu diante das agressões, o agravante por não ter cumprido sua responsabilidade legal de mãe e ter protegido o filho contra os espancamentos. Está no artigo 13 do Código Penal”, afirma a jurista.

Monique e o vereador Dr Jairinho foram presos nesta quinta-feira pela polícia e são oficialmente investigados pela morte de Henry. Segundo a polícia, o casal estaria atrapalhando as investigações e ameaçando testemunhas. Os dois responderão por homicídio duplamente qualificado, com emprego de tortura e uso de recurso que causou impossibilidade de defesa da vítima. “Outra qualificadora que certamente pode ser atribuída ao crime é o motivo fútil”, completa Jacqueline. Somadas as qualificadoras e o agravante, as penas podem chegar a 32 anos para Monique e 27 anos para Jairinho.

Em entrevista coletiva, o delegado Henrique Damasceno, da 16ª DP, informou que a babá de Henry avisou à mãe sobre a "rotina de violência" a que o garoto era submetido pelo padrasto. E disse que não restam dúvidas sobre a autoria do crime e sobre a proteção de Monique ao companheiro. “Se for comprovado que Monique agiu para proteger o marido e nada fez diante das agressões que o filho vinha sofrendo, o juiz pode ampliar a pena com base no artigo 13 do Código Penal, alegando que ela nada fez para proteger a integridade física da criança. Nesse caso, a jurisprudência prevê um aumento de um sexto da pena, mas o juiz pode decidir por um acréscimo maior”, explica a jurista.

VÍDEOS
Pandemia
24/09/2021 | 18:12
Itajaí amplia vacinação contra Covid-19 para adolescentes de 12 anos ou mais e dose de reforço para idosos de 70 anos ou mais
Geral
24/09/2021 | 18:10
Itajaí entrega chaves de novas residências para 19 famílias da Via Expressa Portuária
Política
24/09/2021 | 18:09
CPI das Máscaras escuta três testemunhas
Geral
24/09/2021 | 18:09
Acadêmicos de Turismo e Hotelaria da Univali são premiados no 16º Congresso Internacional de Turismo Religioso e Sustentável
Geral
24/09/2021 | 18:08
Delegacia de Pessoas Desaparecidas completa oito anos com 30 mil casos resolvidos
Geral
24/09/2021 | 18:07
Semana da Mobilidade: Governo quer incentivar o uso de transportes sustentáveis
Geral
24/09/2021 | 18:05
PMGPP/Univali promove 1º seminário de internacionalização da pesquisa
Política
24/09/2021 | 18:04
PT-SC realiza reunião do Diretório Estadual no sábado
Geral
24/09/2021 | 18:02
Balneário Camboriú participa do Playing For Change Day neste domingo
Geral
24/09/2021 | 10:35
Município de Itajaí e Univali devem entregar na próxima terça-feira, 28, estudo de contraproposta ao modelo apresentado pela União para privatização do Porto de Itajaí
Esportes
24/09/2021 | 10:34
Com catarinenses na briga pelo título e atletas de seis países, Taroii Juniors Cup larga neste sábado em Itajaí

JORNAL IMPRESSO
24/09/2021
17/09/2021
10/09/2021
03/09/2021

PUBLICIDADE
+ VISUALIZADAS