terça, 12 de novembro de 2019
24/06/2019 - 09:45

Câmara de Itajaí realiza audiência pública e oferece gratuitamente a palestra "Relacionamentos: quando o abuso vem mascarado de amor"

Além da palestra, audiência pública apresentará projeto de lei para instituir campanha permanente sobe a conscientização dos relacionamentos abusivos no Município de Itajaí. Proposta de política pública é do vereador Edson Lapa.

Na quarta-feira (26), às 19h30, a Câmara de Vereadores de Itajaí será palco da palestra (gratuita) "Relacionamentos: quando o abuso vem mascarado de amor", com a terapeuta Camila Custódio, dentro da audiência pública para discutir o tema e propor à sociedade projeto de lei para instituir campanha permanente sobre a conscientização dos relacionamentos abusivos no Município de Itajaí. A iniciativa é do vereador Edson Lapa. O evento é gratuito, aberto ao público, e atende um dos critérios para a aprovação de leis que instituem datas comemorativas; haverá ata e consulta pública sobre o tema.


A audiência pública e o projeto de lei
Ao elaborar o Projeto de Lei nº 136/2019 e propor a audiência pública, o vereador Edson Lapa pretende fomentar o debate. "É preciso conscientizar e alertar a todos, mas principalmente as mulheres sobre as diferentes formas de violência que não são habitualmente consideradas como agressões, mas que caracterizam o relacionamento abusivo, além de incentivar as vítimas a denunciarem esses tipos de situações", disse o parlamentar.

Se virar lei, ficará incluída no calendário do Município de Itajaí a "Semana de Conscientização dos relacionamentos abusivos", a ser realizada todos os anos no mês de junho, dedicada à realização de ações educativas para a conscientização dos relacionamentos saudáveis, promovendo a reflexão, e fomentando o debate sobre os relacionamentos abusivos e seus reflexos para os envolvidos, suas famílias e para a sociedade

A palestra "Relacionamentos: quando o abuso vem mascarado de amor"


Formada na Escola da Inteligência Emocional do renomado escritor e psiquiatra Dr. Augusto Cury, a terapeuta Camila Custódio - que será a palestrante da audiência pública - afirma que é preciso propor a reflexão sobre relacionamentos para identificar e desmitificar crenças e conceitos. "A nossa sociedade romantiza o abuso travestido de amor. Se não temos referências do que é um relacionamento saudável em nosso ambiente familiar ou de amigos, buscamos na cultura, que também transmite o conceito de demonstração de amor nos relacionamentos de maneira errada", comentou.
  
O tema relacionamentos abusivos
Nos últimos anos, o termo relacionamento abusivo ganhou grande visibilidade. Trata-se de condutas de dominação sobre o outro que podem causar danos, tanto psicológicos quanto físicos. Quem enfrenta a situação, normalmente tem dificuldade em notar os primeiros sinais de abusos porque muitos deles são considerados normais na sociedade. Relacionamentos abusivos não se aplicam somente a casais; amizades e relações familiares também podem ser abusivas.

Casos de relacionamento abusivo são mais frequentes em jovens
Segundo a pesquisa "Visível e Invisível 2019", do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 42% das mulheres entre 16 e 24 anos sofreram violência em 2018 no Brasil. "Se as mulheres já estão sujeitas ao controle e à dominação, o perigo é ainda maior para as jovens e adolescentes porque elas estão iniciando essa fase da vida e não sabem como identificar as condutas abusivas", defende Valéria Scarance, promotora de Justiça do Ministério Público de São Paulo. "Elas cedem mais rapidamente a um relacionamento abusivo por conta da idade e inexperiência", completa.
Oferecido pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), o Ligue 180 (Central de Atendimento à Mulher) registrou 58.815 denúncias de violência física, moral e psicológica.

Violência contra mulher não é só física; conheça outros 10 tipos de abuso
Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006) é a principal legislação brasileira para a enfrentar a violência contra a mulher. A norma é reconhecida pela ONU como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência de gênero. Além da Lei Maria da Penha, a Lei do Feminicídio, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em 2015, colocou a morte de mulheres no rol de crimes hediondos e diminuiu a tolerância nesses caso.

Mas o que poucos sabem é que a violência vai muito além da agressão física ou do estupro.  A Lei Maria da Penha classifica os tipos de abuso contra a mulher nas seguintes categorias: violência patrimonial, violência sexual, violência física, violência moral e violência psicológica.

Conheça algumas formas de agressões, violências, abusos:

1: Humilhar, xingar e diminuir a autoestima
Agressões como humilhação, desvalorização moral ou deboche público em relação a mulher constam como tipos de violência emocional.

2: Tirar a liberdade de crença
Um homem não pode restringir a ação, a decisão ou a crença de uma mulher. Isso também é considerado como uma forma de violência psicológica.

3: Fazer a mulher achar que está ficando louca
Há inclusive um nome para isso: o gaslighting. Uma forma de abuso mental que consiste em distorcer os fatos e omitir situações para deixar a vítima em dúvida sobre a sua memória e sanidade.

4: Controlar e oprimir a mulher
Aqui o que conta é o comportamento obsessivo do homem sobre a mulher, como querer controlar o que ela faz, não deixá-la sair, isolar sua família e amigos ou procurar mensagens no celular ou e-mail.

5: Expor a vida íntima
Falar sobre a vida do casal para outros é considerado uma forma de violência moral, como por exemplo vazar fotos íntimas nas redes sociais como forma de vingança.

6: Atirar objetos, sacudir e apertar os braços
Nem toda violência física é o espancamento. São considerados também como abuso físico a tentativa de arremessar objetos, com a intenção de machucar, sacudir e segurar com força uma mulher.

7: Forçar atos sexuais desconfortáveis
Não é só forçar o sexo que consta como violência sexual. Obrigar a mulher a fazer atos sexuais que causam desconforto ou repulsa, como a realização de fetiches, também é violência.

8: Impedir a mulher de prevenir a gravidez ou obrigá-la a abortar
O ato de impedir uma mulher de usar métodos contraceptivos, como a pílula do dia seguinte ou o anticoncepcional, é considerado uma prática da violência sexual. Da mesma forma, obrigar uma mulher a abortar também é outra forma de abuso.

9: Controlar o dinheiro ou reter documentos
Se o homem tenta controlar, guardar ou tirar o dinheiro de uma mulher contra a sua vontade, assim como guardar documentos pessoais da mulher, isso é considerado uma forma de violência patrimonial.

10: Quebrar objetos da mulher
Outra forma de violência ao patrimônio da mulher é causar danos de propósito a objetos dela, ou objetos que ela goste.

Fonte:
Portal Brasil.

Terça, 12 de novembro de 2019
Ressorteio no Detran-SC
Terça, 12 de novembro de 2019
Segunda Instância
Terça, 12 de novembro de 2019
Dois lados
Terça, 12 de novembro de 2019
Presidente da Alesc
Segunda, 11 de novembro de 2019
Royalties do petróleo
Segunda, 11 de novembro de 2019
Bruno no Novo
Segunda, 11 de novembro de 2019
Novo nome em Lages para prefeitura
anuncie no Jornal | comunicar erro | fale conosco
Todos os direitos reservados - 2009-2015 Jornal dos Bairros